Resposta ao Sr. Ronaldo e aos seguidores das teorias do Sr. Paulo Santos Cruz

            Me permita e desculpe meu grande amigo, sr. Ronaldo, mas acredito que o sr. quis dizer/ responder que o senhor cria e segue o ÚNICO Padrão Racial de Fila Brasileiro OFICIAL e que é ÚNICO reconhecido entre TODOS os Países filiados à FCI (Federação de Cinofilia Internacional), com sede na Bélgica; e não segue o tal de padrão cafib, que não é oficial, nem reconhecido em País algum, ou seja é um padrão clandestino entre tantos outros clandestinos que existem por ai.

            Qualquer pessoa pode, infelizmente, da noite para o dia, “criar um Padrão para a Raça Fila Brasileiro ou para qualquer outra Raça e espécie”, porém, não de forma Oficial e que seja reconhecido internacionalmente. Já pensou, amanhã um “maluco” cria um Padrão de Fila Brasileiro dizendo que o Fila Brasileiro DEVE TER OITO PERNAS e não quatro e ai eles irão criticar os nossos Filas Brasileiros por somente terem 4 (quatro) pernas. Para que o leitor possa comprovar qual é o Padrão a ser seguido, bastará acessar o site da FCI (Federação de Cinofilia Internacional), que é: http://www.fci.be/ e lá, consultarem o Padrão Racial do Fila Brasileiro, que é apresentado nas várias línguas (idiomas) oficiais da FCI, ou, então, caso a pessoa tenha dificuldades quanto às línguas estrangeiras (Inglês, Alemão, Francês), poderá acessar o próprio site da CBKC, que é: http://www.cbkc.com.br  e ali irá encontrar o Padrão em Português e também em hispânico, ou até em Inglês, ou, então, se preferir, poderá acessar o próprio site da SPFB (Sociedade Paulista do Fila Brasileiro) e ali (logo abaixo está citado o endereço do site) encontrará inclusive um Padrão em português e devidamente comentado, indicado para aquela pessoa não “expert” em cinofilia.

            Aproveito a oportunidade, senhor Ronaldo, para parabenizá-lo pelo excelente e TÍPICO exemplar da Raça Fila Brasileiro de cor PRETA e que constou na página de rosto do Catálogo Oficial das Exposições Especializadas da Sociedade Paulista do Fila Brasileiro, realizadas em Biritiba Mirim/SP, no ano de 2008, e que também consta na página de abertura do site da SPFB, que é: http://www.spfilabrasileiro.com.br, mostrando ser um Fila Brasileiro muito TÍPICO e totalmente abrigado pelo Padrão Racial Oficial da CBKC/FCI, além de apresentar excelente pigmentação nas mucosas e tendo os olhos pigmentados de forma bem escura, entre outras inúmeras qualidades.

            Esse senhor Elio, que se intitula um adepto da teoria de um Padrão clandestino da raça Fila Brasileiro, “fala” uma coisa pela internet, porém na vida real não segue integralmente as teorias do clube dissidente, pois, ele mostra, lá no site do Canil dele, alguns exemplares de cães da Raça Fila Brasileiro que ostentam a “rima labial” em ângulo agudo (bem fechado), característica que, segundo uma das teorias dos dissidentes, seria sinal evidente de miscigenação com raças alienígenas. No entanto ele já reproduziu algumas ninhadas com esses exemplares. E ai? Como ficamos? Somente iremos seguir aquilo que nos interessar?

            Eu não crio Fila Brasileiro só na cor PRETA, eu crio em todas as cores permitidas pelo Padrão Oficial que é reconhecido internacionalmente, ou seja, nas cores: Amarela, PRETA, Marrom, Vermelha, Tigrada ou Rajada; e digo mais, se amanhã o Padrão OFICIAL (não um desses clandestinos) abrigar a cor Azul, ou a branca, eu também criarei, ou tentarei criar, nessas colorações.

.           Veja o sr., meu grande amigo, Sr. Ronaldo, o Padrão OFICIAL é tão forte e dá tanta garantia OFICIALMENTE que, inclusive, TODOS os diretores do clube dissidente que possuem Canil, também REGISTRAM NO SISTEMA CBKC/FCI, A MAIORIA DOS SEUS FILHOTES DE FB.. Desistindo implicitamente de suas teorias equivocadas em benefício de um maior valor de credibilidade mercantil no CRO (Certificado de Registro de Origem) mais conhecido como “PEDIGREE”, onde, no OFICIAL, obrigatoriamente deverá estar informado o nome dos Reprodutores (pai e mãe), dos pais dos reprodutores (avôs da ninhada a ser registrada) e, inclusive, dos avôs dos reprodutores (bisavôs da ninhada a ser registrada), além de, nesse livro de registro do SRG (Serviço de Registro Genealógico) da CBKC/FCI estar inscrito TODA a linhagem/geração dos antepassados de ambos os Reprodutores. Inclusive, segundo as Normas Reguladoras da CBKC/FCI, DEVEM os reprodutores (pai e mãe da ninhada a ser registrada) ser identificados com microchips inserido preferencialmente na “cernelha”, fato esse que dá muito maior credibilidade e seriedade aos produtos. Agora eu pergunto, e o clube dissidente oferece essa credibilidade? Essa garantia e oficialidade? Acredito que não, pois, eles (na esmagadora maioria) se socorrem do SRG (Serviço de Registro Genealógico) que tem reconhecimento Internacional, ou seja: CBKC/FCI. E lá, no clube dissidente, eles não são reconhecidos nem no Brasil, quanto mais em outros Países. 

            Eles devem acreditar PIAMENTE naquele General Alemão, Groebbel  (se não estou enganado), que ficava repetindo que uma MENTIRA contada REITERADAS VEZES acabava se tornando verdade. Porque eles não apresentam uma única PROVA real (não fictícia) da não existência da cor PRETA na Raça FB, uma prova que tenha suporte técnico, científico, ou documental (documento oficial, não particular) que possa REAL E OFICIALMENTE demonstrar a inexistência dessa cor, ou de outra cor qualquer? Ficam repetindo que não existe, SENDO QUE COMPROVADAMENTE EXISTE E É OFICIAL desde o primeiro Padrão Racial, em 1946, passando pelo segundo de 1976, até o atual, de 1984. Veja bem, todos os três Padrões OFICIAIS da Raça FB nunca deixaram dúvida ou a mais leve suspeita sobre a cor PRETA SER OFICIAL E ACEITA na Raça Fila Brasileiro.

            O próprio Dr. PAULO Santos Cruz, considerado o “PAI” das teorias do Clube dissidente, o autor sênior do primeiro Padrão Racial, sempre, desde bem antes de 1946 (época do primeiro Padrão Racial), sempre mesmo, afirmou que o Fila Brasileiro existia em todas as colorações, citando, inclusive, num artigo para uma Revista Veterinária em 1951, que o Fila Brasileiro apresentava todas as cores, inclusive a PRETA, citando-a textual, nominal e explicitamente, bem como que ele, PSC, PESSOALMENTE houvera TESTEMUNHADO a existência de alguns exemplares que ostentavam essa coloração PRETA na pelagem. Somente por volta de 1978, época em que foi derrotado em sua pretensão de ser eleito Presidente do extinto Clube Paulista do Fila Brasileiro (sucedido pela Sociedade Paulista do Fila Brasileiro), amargurado passou a detratar a cor preta da Raça Fila Brasileiro, como uma maneira de se “vingar” de alguns criadores de São Paulo, que não o haviam apoiado em suas pretensões políticas, e que tinham em seus canis alguns exemplares de Fila Brasileiro na coloração PRETA.

            Ora, se vai dizer então que ele, Dr. Paulo Santos Cruz já tinha antes de 1978 alguma restrição contra a cor preta, porém essa restrição era uma coisa pessoal dele, e nunca, jamais, em momento algum houve qualquer restrição nos Padrões ou na própria criação de Fila Brasileiro contra a cor PRETA. Se naquela época (período antecessor a 1946) da formação da Raça havia poucos exemplares de Fila Brasileiro que apresentavam a coloração preta, isso era um fato, como o é ainda hoje (2009), visto que as outras cores eram apresentadas por um número maior de exemplares e, consequentemente, por questões genéticas e matemáticas, nos acasalamentos efetuados sempre predominou a coloração amarela entre os filhotes, quando um dos padreadores apresentasse tal coloração, e as outras cores (marrom, PRETA, vermelha e tigrada) foram ficando em número menor em termos porcentuais quando comparadas à cor amarela, sendo a cor preta sempre apresentada em número menor em termos porcentuais entre todas, e a cor Tigrada ou Rajada, que era na época da formação da Raça, em termos porcentuais, quase IGUAL à cor amarela, hoje está bem menos representada quantitativamente em comparação à cor Amarela. Daí é uma questão matemática, como por exemplo: entre 1.000 FB de cor amarela, 800 FB de cor tigrada, 300 de cor marrom, 200 de cor vermelha e 28 de cor PRETA, logicamente que será mais fácil encontrar um FB de cor amarela como o mais bonito, o mais qualificado perante o Padrão, pois é uma questão, repito, de matemática ou de proporção numérica. Se os Fila Brasileiros de cor PRETA fossem em número bem mais elevado do que as outras cores, ai, logicamente, encontraríamos muito mais Filas Brasileiros de cor PRETA em nível de qualidade superior ao das demais cores. 

            Frise-se que o Dr. Paulo Santos Cruz, mentor das teorias do clube dissidente, era uma pessoa inteligentíssima, porém era também uma pessoa muito controvertida, rancorosa e vingativa, sendo que ele arrumou muita confusão inclusive com a Raça Pastor Alemão, pois, ele, em determinada ocasião (aproximadamente em 1960), vetou a filiação de um Núcleo de PA lá no antigo SKC (Santos Kennel Clube), apenas por inimizade com alguns Pastoreiros, visto que o Núcleo do PA estava com a documentação toda em ordem e regularizada e, diante da aprovação da filiação do Núcleo do PA, ele pediu sua desfiliação como árbitro junto ao Santos Kennel Clube (hoje inativo). Ele, Dr. PSC, foi autor de um artigo, publicado na Revista “Caça e Pesca” de nº 265, de Junho de 1963, onde ele declarou, no fim de seu artigo, o seguinte: “Em suma, admitida a teoria do caldeamento Mastiff, Bloodhound e Bulldog, e conhecendo as inúmeras raças que formaram ou influenciaram a formação dessas três, somos forçados a admitir que, com tal ARCO-ÍRIS em sua ascendência, A RAÇA FILA TEM OBRIGATORIAMENTE, DE POSSUIR EXEMPLARES NAS MAIS VARIADAS COLORAÇÕES. Por enquanto o objetivo deve ser: qualidade. QUEM QUIZER COR QUE CULTIVE ROSAS”. Por falar em SKC (Santos Kennel Clube), acessem o site: http://www.filabrasileiro-dailha.com/9th_comandament.html, e vocês verão, transcrito em italiano, um artigo da sra. Clélia Kruel, Juíza Brasileira Especializada em Fila Brasileiro, proprietária do Canil Camping, sediada atualmente no Texas, EUA,  e no qual são exibidas algumas fotos HISTÓRICAS muito interessantes sobre o ilustre Dr. PSC. Sendo a primeira foto de uma Exposição, promovida pouco antes de 1978 (época da “cisão), realizada pelo Santos Kennel Clube (hoje extinto), julgada pelo Dr. PSC e premiando o EXCELENTE cão FB ORIXÁ DO KIRONGOZI, (FB que apresentava a maravilhosa pelagem tigrada escura, cor essa subitamente atacada pelo “Pai”, ou melhor pelo “Santo Milagreiro”), ocasião em que além de premiá-lo, escreveu na súmula que o Orixá era (como ele era realmente) um cão Fila Brasileiro totalmente correto, típico e sem faltas, porém, poucos anos depois, o próprio Dr. PSC o incluiu numa lista negra do clube dissidente, taxando-o como MESTIÇO. Demonstrando sem sombras de dúvidas que ele, Dr. PSC, era totalmente INCOERENTE e RANCOROSO, ou melhor dizendo, VINGATIVO.  Sendo a segunda e a terceira dessas fotos históricas (no rodapé do site em pauta), dos dois PRIMEIROS Filas a serem exportados para a Europa pelo Dr. PSC, proprietário do Canil Parnapuan e autor e mentor das teorias do clube dissidente.

            Esse outro senhor, de nome Francisco Peltier, também já tem um passado ligado às teorias do desentendimento, pois ele foi um dos autores de uma das quatro teorias do surgimento da Raça Fila Brasileiro. Segundo ele, o Fila Brasileiro seria o caldeamento (resultado de mistura) de uma série de raças trazidas ao Brasil pelos europeus e cruzadas com os cães selvagens, com o lobo Guará, ou coisa que o valha e com os CÃES DE RUA, aos quais, na época, se chamava de “alçados”. Posteriormente foi desautorizado pelo próprio Dr. Paulo Santos Cruz a falar em nome do clube dissidente, numa situação muito constrangedora. Ele, sr. Francisco, era o proprietário do Canil de Fila Brasileiro, denominado Cafibra, registrado em 1974, sendo que consta que registrou DUAS ninhadas durante os  longos anos de atividade e existência do canil. Essa teoria dele fora uma teoria lançada para contrariar uma teoria de autoria alheia. Montou um site onde apregoa vários artigos publicados no passado, todos atacando a Raça Fila Brasileiro e especificamente alguns atacando o Fila Brasileiro de coloração PRETA ou Tigrada escura, seguindo os passos do “Mestre”, Dr. Paulo Santos Cruz. Só que em nenhum momento, em nenhum artigo, eles apresentam prova documental, científica ou genética que negue a EXISTÊNCIA E OFICIALIDADE DA COR PRETA OU TIGRADA ESCURA NA RAÇA FILA BRASILEIRO. Somente ficam repetindo frases acusatórias, muitas vezes ironicamente, porém em nenhum momento demonstram ou provam qualquer coisa, nem teoricamente. Eu estou aguardando que eles apresentem uma ÚNICA PROVA dessa teoria, porém vou fazê-lo SENTADO, pois em pé cansarei. Portanto meu amigo, não se preocupe, eles somente estão usando a velha tática mercantil. Se o produto do meu concorrente está sendo comercializado com mais facilidade, ou apresenta melhor qualidade ou condição comercial, vamos acusá-lo exaustivamente por todos os meios e locais, para tentar desarticulá-lo e diminuir a sua melhor condição mercantil. Continue a criar da forma correta, honesta e séria como o sr. SEMPRE fez seguindo o Padrão OFICIAL da FCI/CBCKC e vem fazendo e não se preocupe, pois o resto é “barulho de tambor”.

            Apenas a título de ilustração, vou contar uma história bem rapidamente, para se ver até que ponto chegam algumas pessoas, quando o interesse “mercantil” se sobrepõe a todos os demais sentimentos e conceitos, principalmente em relação à ÉTICA. Numa época mais antiga, eu havia acasalado um Fila Brasileiro  com uma fêmea de Fila Brasileiro de um outro criador (já não cria mais, graças a Deus), tendo, portanto, direito a um filhote de livre escolha (esse era o trato), pois bem, um belo dia, após a ninhada já estar com cerca de sessenta dias, levei, até a casa desse criador, um senhor de origem japonesa, o qual queria comprar um filhote do meu Padreador (ele houvera assistido uma fita de vídeo desse cão), ao chegarmos lá na casa desse outro criador, eu lhe expliquei que queria ver a ninhada para pegar o filhote que “seria” meu. Ele prontamente me mostrou os filhotes, ao que o comprador escolheu um filhote macho que era um dos maiorzinhos da ninhada, porém, ai, esse criador falou para o comprador o seguinte: “Esses meus filhotes não prestam, os que são bons são esses outros aqui de uma outra ninhada minha”. Eu fiquei chocado, porém, fiquei quieto. Ele levou o comprador e mostrou a outra ninhada. O comprador olhou a outra ninhada e voltou até junto a mim, com a cabeça baixa. Eu lhe disse, “se o sr. gostou do outro filhote pode comprar dele, eu não me incomodo, pois, EU não vivo disso”. O comprador pediu que eu o levasse embora, o que fiz, e no caminho de volta ele me falou que não iria comprar nenhum dos filhotes. Essa falta de Ética do outro criador, apenas e tão somente serviu para que eu o visse com outros olhos, pois daí em diante, evitei, inclusive manter qualquer negociação comercial com ele. Os criadores mais antigos devem saber de quem falei, pois ele enganou ou tentou enganar todos que negociavam com ele. 

            Agora, cá entre nós, e que ninguém nos ouça, como dizia uma minha avó. O que mais incomoda os “inimigos” é o nosso sucesso e progresso. O que mais deve “incomodar” esse pessoal, é o fato do Fila Brasileiro de pelagem PRETA, além de ser legal, oficial e existir na realidade, é o fato dele, Fila Brasileiro de cor preta, ser o mais fácil de ser comercializado, e o mais valorizado monetariamente falando, mesmo no comércio interno entre os próprios criadores de Fila Brasileiro
.

            “Não fique só, fique sócio da SPFB”.

            “Não devemos correr atrás das borboletas, devemos cuidar do jardim para atraí-las até nós”.

            “ÉTICA, um princípio que não pode ter fim”.

            “Brasileiro que cria FB é duplamente brasileiro”.

            “Quem quiser cor, que cultive rosas”. Autoria do Dr. PSC.

            “A Mentira, mesmo repetida milhares de vezes, continuará sendo mentira eternamente”.

            “A Amarela, a PRETA, a Marrom, a Vermelha, a Tigrada ou Rajada, são as cores da pelagem da Raça Fila Brasileiro, ACEITAS OFICIALMENTE pelo Padrão Racial da Raça FB reconhecido mundialmente pela Federação de Cinofilia Internacional, conforme divulgação nos seguintes sites:

http://www.fci.be; http://www.spfilabrasileiro.com.br; http://www.cbkc.com.br;  inclusive sendo o Padrão apresentado em vários idiomas (Alemão, Francês, Inglês, Português e Hispânico).

.           Não deixem de acessar o site da SPFB (Sociedade Paulista do Fila Brasileiro) que é: http://www.spfilabrasileiro.com.br, onde além do Padrão estar no idioma falado no Brasil, ainda conta com comentários efetuados por grupo de CRIADORES experientes e JUÍZES ESPECIALIZADOS.

                                      São Paulo, 28 de Outubro de 2009.

                                   Virgílio

                     Juiz de Fila Brasileiro e dos grupos I, II, IV, V, VIII e X da CBKC/FCI.

                                    Canil Vale do Aricanduva/SP.

                              Presidente do Conselho Deliberativo da SPFB.

Voltar a artigos Fila Brasileiro