A COR DA PELAGEM ANIMAL – IV

Registro de Filas Pretos 

            Amigos, eu havia falado que iria parar durante um tempo com os artigos contraditórios às acusações infundadas contra as cores PRETA e TIGRADA/RAJADA escura do Cão Fila Brasileiro, entretanto as acusações continuam.

            Agora, como eles não conseguiram NENHUMA PROVA REAL da não existência e não oficialidade das Cores questionadas, nem conseguiram uma desculpa plausível e justificável pela não oficialização e formalização das acusações de cometimento de crimes de “falsidade ideológica” (mais conhecidos como de miscigenação ou hibridação), tipificados no Código Penal Brasileiro que já vigia (tinha efetividade e vigorava) desde 1940, por parte de uma pessoa que OBRIGATORIAMENTE, em virtude de sua função como ADVOGADO, tinha conhecimento das leis e dos Códigos em vigor no território nacional e cujo DEVER cívico era o de levar ao conhecimento das autoridades de forma efetiva e oficial e não de se omitir nessas providências, CASO FOSSEM VERDADEIRAS as suas alegações; eles, alguns adeptos das teorias “mórbidas” do Dr. Paulo Santos Cruz, estão afirmando com insinuações maliciosas em um site de um dos adoradores, digo adeptos do Doutor Paulos Santos Cruz, de que NÃO HOUVE e não se efetuou nenhum Registro Genealógico de FILA BRASILEIRO com pelagem na COR PRETA desde 1956 até 24/04/1989 e que, portanto, numa dedução simples e lógica devido a esse lapso de tempo de cerca de 33 (trinta e três) anos não poderia ter sido possível a transmissão da coloração da pelagem PRETA genealogicamente, ou seja, através de REPRODUÇÃO SEXUAL com algum exemplar da Raça Fila Brasileiro de cor PRETA para que subitamente em 24/04/1989 houvesse novamente o reinício do Registro de filhotes de FB de cor PRETA. Fazem essa afirmação levando em consideração a suposição que o Fila Brasileiro vive normalmente uma média de pouco mais de dez anos (alguns mais longevos chegam a quase quinze anos).

            Sem nem mesmo precisar recorrer ao arquivo da CBKC ou aos Livros de Registros do SRG (Serviço de Registro Genealógico) da CBKC/FCI, somente compulsando o Grande Livro do Fila Brasileiro, de autoria do Dr. Procópio do Valle e do Sr. Ênio Monte e mais alguns colaboradores, ed. 1981, podemos citar, entre outros FB de cor PRETA: Tupi do ABC, nasc: 18/03/1966; King Atalaia do Sumaré, nasc: 27/05/1960; Tamoio do ABC, nasc: 18/03/1966; Yandu do ABC, sendo esse cão FB PRETO alvo de muitas acusações por parte de adeptos do CAFIB, Guiné do Kirongozi; Guri do Kirongozi; além desses, já citados, tivemos o caso do acasalamento do Grande Campeão Thor do Samor (tigrado escuro) que era descendente genealógico dos primeiros Filas registrados no KCP (extinto Kennel Clube Paulista) X Braza II do ABC (Castanha), descendente do Orixá do Parnapuan {se não estou equivocado esse Canil Parnapuan era do famosíssimo Doutor Paulo Santos Cruz, autor das famigeradas “teorias mórbidas”}, cujo cão (Orixá) foi considerado o maior e o mais pesado Fila Brasileiro até primórdios da década de 80, sendo que esse acasalamento resultou numa ninhada onde figuravam Xitu do ABC e Dragão do ABC, ambos de cor PRETA. 

Acrescente-se a isso que inclusive até 1974 ainda vigia (ainda valia, ainda vigorava) o tal de Livro de Registro Inicial (RI) onde o cão era inscrito sem necessidade dos dados de seus pais e nessa época anterior a 1974, o Sr. Achileu Nogueira trouxe do Triângulo Mineiro, região de Uberlândia/MG, três cadelas PRETAS de bom tipo e conformação que foram aprovadas na análise racial e receberam RI no KCP, sendo que entre elas a chamada de Duna, considerada a melhor das três, após acasalar com Bororó do ABC (vulgo Bronco) produziu uma ninhada com excelentes filhotes Filas PRETOS, tais como Guiné e Guri do Kirongozi, considerados os maiores responsáveis pela maioria dos Filas PRETOS encontrados no Brasil em torno do ano de 1980. Além disso, ainda tínhamos no Brasil, como temos atualmente, algumas Associações que PARALELAMENTE também faziam e fazem Registros Genealógicos de Cães, inclusive da Raça FB, e naquela época tínhamos a (o) tal de FCB (Federação de Cinofilia Brasileira, ou coisa que o valha), como por exemplo, atualmente temos a ACB (Associação Cinológica do Brasil) e temos, ou tivemos, também a ABC (Associação Brasileira de Cinofilia), sendo que todos esses Sistemas, em algumas ocasiões, aceitaram o Registro da entidade paralela para incluir em seus próprios Livros de Registros de uma data atual para datas futuras. E como bem disse o falecido Doutor Procópio do Valle: Não há como falsificar o Pedigree (CRO), o máximo que pode haver (e é até normal ocorrer) é um engano por parte do Criador, o qual na hora de registrar colocava a cor amarelo-cinza e o filhote ao crescer ficava com a cor amarela, ou amarelo damasco e o filhote ficava vermelho. Vejam bem, não estamos aqui dizendo ou afirmando que o FB de cor PRETA era numeroso ou constante e corriqueiramente registrado em números próximos aos das cores mais comuns, porém, era registrado esporadicamente e em números menos expressivos, talvez em virtude da ENORME e constante campanha difamatória promovida por alguns adeptos do Clube dissidente a partir de 1978, cujo interesse maior e prioritário aparentemente era o de prejudicar o Fila Brasileiro Preto, acima até de criar Fila Brasileiro de outra cor. Vejam na página 299 “in fine” do Grande Livro do Fila Brasileiro, que em 1978, portanto dentro do período acima citado pelos detratores do Fila Brasileiro de cor PRETA, houve o Registro na CBKC de 07 (sete) filhotes de FB na cor PRETA. E por ai vai. Portanto mais uma vez fica reiteradamente COMPROVADA a INVERACIDADE dessas acusações contra as colorações PRETA e TIGRADA/RAJADA escura na Raça Fila Brasileiro.

            E, sinceramente, eu não entendo a razão, o motivo, desses indivíduos ficarem tentando denegrir o Fila Brasileiro de cor PRETA e ocasionalmente também o de cor TIGRADA/RAJADA escura. A obstinação é tão grande que eles até se esquecem do que falaram há alguns anos passados, pois na década de 80 (pouco antes de 1980 e pós 1980) eles falavam (contraditoriamente ao que falam agora) que havia uma “chuvarada” de FB de cor PRETA, e que isso, ou seja, o aparecimento de tantos Registros de FB de cor PRETA era a PROVA REAL da miscigenação com cães Dogue Alemão, sendo que o DA apresentava (e apresenta) também as cores Tigrada/Rajada e Amarela. Ao passo que agora eles querem nos acusar através da afirmação (também equivocada) de que não houve Registro de FB de cor PRETA desde 1956 até 1989, o que induziria a que, devido a esse lapso de tempo de cerca de 33 (trinta e três) anos, serviria hipoteticamente de PROVA REAL para dizer que os FB de cor PRETA ATUAIS seriam descendentes de cães FB de cor PRETA que foram inscritos no Livro de Registros Genealógicos a partir de 1989, e quem lesse ou ler essa notícia (falsa) deduziria ou deduzirá através de raciocínio lógico, cotejando com a media de pouco mais de dez anos de vida do FB, que após mais de 30 (trinta) anos sem o Registro Oficial no Livro de Registro Genealógico não haveria a possibilidade real de surgir um FB de cor PRETA que fosse descendente direto {Filho (a)} de um FB com mais de trinta anos de vida e que fosse Registrado, consequentemente, o Fila Brasileiro de cor PRETA  a ser registrado era (ou seria) falso.

            Vamos esperar para ver o que será que eles irão pensar para fazer outras acusações contra a cor PRETA do Fila Brasileiro.

            O RI (Registro Inicial), se não me falha a memória e salvo algum equívoco (pois também estou um pouco velho e sujeito a lapsos de memória), foi encerrado em 1974, ou seja, cerca de dois anos antes da reunião dos “fileiros” em Brasília, ocasião em que houve o estabelecimento do 2º Padrão Racial do Fila Brasileiro que ocorreu em 1976.

            Minha esposa me perguntou qual a intenção deles ao fazerem uma acusação mentirosa assim tão esdrúxula, tão pífia, que seria facilmente derrubada apenas citando-se alguns Filas Brasileiros de cor PRETA registrados, durante o tempo especificado de 1956 até Abril de 1989, no Livro de Registros Genealógicos da CBKC e eu lhe respondi que, provavelmente, o autor dessa idéia é uma pessoa com idade muito avançada e a memória já não está mais correspondendo de forma correta, ou talvez a “gana”, a vontade enorme de acusar seja maior do que a ponderação e o pensamento calmo, analítico e lógico, ou pode ser que fizessem essa acusação contando com a nossa dificuldade natural de consultarmos os Livros do Serviço de Registros Genealógicos da CBKC, que estão arquivados lá na cidade do Rio de Janeiro e quase inacessíveis, contando também com a expectativa lógica de que a Administração da CBKC não iria se dar ao trabalho de ficar pesquisando nos inúmeros Livros a cada nova acusação desse pessoal, ou até pode ser com alguma outra intenção oculta e que não nós é clara no momento.

            Uma coisa eu não consegui entender, qual seja, de onde eles teriam arranjado essa data de 24/04/1989? Eu não consegui entender. Alguém saberia? Provavelmente é data de nascimento de algum magnífico Fila Brasileiro de cor PRETA.

            Nem eu, nem ninguém ficaria com desconfianças eventuais contra as cores Branca, ou Cinza, desconfianças essas do tipo que são alegadas pelos contumazes acusadores adoradores, digo adeptos das teorias mórbidas do Dr. Paulo Santos Cruz, se o acusador em pauta afirmasse que não houve o Registro no Livro de Registros Genealógicos da CBKC/FCI durante todo o tempo de existência controlada da Raça Fila Brasileiro, ou seja, a partir de 1946, de cão Fila Brasileiro de pelagem de coloração Branca, pois essa cor sim “poderia” hipoteticamente ser acusada de não ser aceita pela Raça FB desde o seu 1º Padrão Racial e, no entanto, paradoxalmente, o Clube dissidente a aceita, numa clara demonstração de incongruência em suas teorias relacionadas às acusações. Frise-se que eu, particular e pessoalmente, nada tenho contra a cor Branca, ou contra qualquer outra cor, pois entendo que o Fila Brasileiro, assim como qualquer outra Raça, principalmente, de trabalho deveria ser analisada e julgada funcionalmente (Provas Práticas de Trabalho). E a cor é um detalhe por demais insignificante, salvo quando ela ajudar a sobrevivência do animal (pela camuflagem), pela percepção visual rápida nos casos de caçadores, por exemplo, ou por um outro motivo qualquer que ajudasse o desempenho funcional (Ex: a cor Branca do Pastor Maremano de Abruzês, que ao defender as ovelhas de seus predadores, confunde o lobo, seu principal predador, pela sua semelhança de coloração com a presa).

 Um cão com uma pelagem típica, com uma conformação típica, porém com o temperamento totalmente atípico é muito pior e menos útil ao homem, do que um cão com pelagem atípica, conformação atípica, porém com o temperamento típico e desejável é muito melhor e mais útil ao homem. Eu mesmo conheci pessoalmente num outro País, uma cadela Fila Brasileira BRANCA, totalmente pigmentada nas mucosas, e que era muito típica na conformação física e muito correta. Além disso, tenho o testemunho pessoal de vários criadores e ex-criadores idôneos e honestos de que já tiveram filhotes de Fila Brasileiro na cor branca entre as suas inúmeras ninhadas e em conjunto com outros filhotes (irmãos de ninhada) com as cores corretas, principalmente testemunhos de criadores bem antigos, com cerca de 30 (trinta) ou mais anos de criação de forma OFICIAL. Agora, diante do fato de não haver registro nos Livros do SRG de FB de cor BRANCA LEVIANAMENTE iremos inferir que esses criadores praticaram crime de “falsidade ideológica” (hibridação ou miscigenação)? De maneira alguma, pois nem os CIENTISTAS, nem os Médicos Veterinários, nem os geneticistas, conseguem explicar TODAS as características GENÉTICAS dos animais de forma geral e absoluta, onde estão envolvidas reações praticamente desconhecidas (Mutação, por exemplo). Sendo que há diariamente publicações no mundo inteiro de novas e sensacionais descobertas, experiências e estudos no campo da Ciência Genética e, não seremos nós, pobres mortais e ignorantes que poderemos contestar qualquer efeito ou produto da Natureza, e muito menos uma pessoa que somente criou duas ninhadas de Fila Brasileiro, porém alega (sem comprovação) que criou três ninhadas e há mais de 32 (trinta e dois anos), no mínimo, OFICIALMENTE não Registra filhotes de Fila Brasileiro.

            Informo que solicitei novamente à CBKC, através de e. mail, que interpele ao (s) acusador (es) que PROVE (M) o que fala (m), com provas REAIS. Entretanto, sabemos por experiência prática que a Administração da CBKC somente se manifesta, ou se manifestará, se a acusação (ou acusações) partisse (m) de uma (ou mais) Pessoa Jurídica ligada à FCI e nunca de pessoa (s) física (s) ainda mais nem sendo CRIADOR DE Fila Brasileiro.

            Em vista do contido no trecho supra, solicito ao (s) acusador (es), seja (m) ele (s) Pessoa (s) Física (s) ou Jurídica (s), que acione (m) o MPF (Ministério Público Federal) para que investigue oficialmente sobre os fatos apontados nas suas acusações, para que de uma vez por todas se esclareça a situação verdadeira sobre a Raça Fila Brasileiro. Isso sendo feito, será um enorme e valioso serviço prestado em pról da criação honesta de Fila Brasileiro. Esclareço que tivemos um caso semelhante num tempo mais ou menos recente, (“http://www.abccmm.org.br/edicao/ed/70/ed701.htm”) em que na criação de uma espécie animal (que não era a canina e sim a equina), o MPF após fazer Investigação com apôio da Polícia Técnica-Científica, determinou que fosse assinado um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) entre a Associação Brasileira que controlava os CROs (Certificados de Registros de Origem) e o Governo Federal (concessionário do serviço especificado – de Registro Genealógico Animal), para evitar repetições de um dos casos objetos das acusações (houvera sido feita acusação generalizada questionando a paternidade) sobre vários exemplares daquela espécie animal, de fraudes sobre a real filiação (pai e/ou mãe), e, após tudo investigado comprovou-se que num único dos casos havia sido adulterada a real filiação. Sendo que foram cancelados todos os registros de origem dos descendentes do cavalo especificado na acusação, cancelando-se inclusive os CROs dos descendentes. A Justiça também impôs pesada indenização ao Criador Responsável pela Fraude para que fossem ressarcidos todos os prejudicados advindos do ato errôneo de Fraude ao Serviço de Registro Genealógico. Portanto, REITERO pedido para que esse (s) acusador (es) faça (m) junto ao MPF uma reclamação de maneira formal e OFICIAL (Declaração assinada, com Firma reconhecida e com o que ele sabe ou testemunhou e quer denunciar, ou do que ele pensa saber) para que haja essa Investigação e, se for o caso, consigamos separar o joio do TRIGO. Dessa forma, o caso será resolvido de forma definitiva e juridicamente (à exemplo de como o foi no caso da ABCCMM). Evitando-se assim que as acusações continuem de forma insistente e inócua {Sem que o (s) responsável (eis) seja (m) PUNIDO (s)} e o público externo que tome conhecimento dessas acusações não fique fazendo mau juízo dos criadores de FB de modo genérico.  Quem não deve, não teme. Desde já disponibilizo VOLUNTARIAMENTE todos os meus Cães Fila Brasileiro (ou das outras Raças, os quais mantenho mais como Pet) para coleta de material de DNA ou de qualquer outro material que for julgado necessário para comprovar a paternidade (pai e mãe) genética e real ou para qualquer outro fim legal. E acredito que todos os demais criadores de FB que criam sob a égide e regulamentos da CBKC/FCI, principalmente aqueles que possuem exemplares Fila Brasileiro de Cor PRETA ou Tigrada/Rajada escura também seguirão o exemplo. 

            Esclareço que não citei propositalmente o endereço do site desses adeptos do Clube dissidente para não fazer propaganda e divulgação, pois resta ainda a grande possibilidade de estar (em) NOVAMENTE em busca de ser (em) o foco das “luzes da Ribalta” que é, em minha opinião, a hipótese mais provável. Quem quiser poderá solicitar ao e. mail: contato@spfilabrasileiro.com.br  que forneceremos a informação para os amigos.  

            “Não fique só, fique sócio da SPFB”.

            “Quantos mais formos, mais seremos ouvidos”.

            “Quem quiser cor, que crie rosas”. Autoria do Dr. PSC.

            “Não devemos atacar o mentiroso, devemos combater a mentira ou a meia verdade”.

            “Acessem o site: http://www.fci.be e leiam o Padrão Racial OFICIAL do FB publicado pela FCI e reconhecido por todos os Países filiados à ela. Acessem o site: http://www.cbkc.com.br e leiam o Padrão Racial OFICIAL do FB em Português (falado no Brasil), ou em Espanhol, ou em Inglês. Acessem o site: “http://www.canildosertao.com”  e leiam o 1º Padrão Racial OFICIAL do FB, e constatem que as cores PRETA e TIGRADA/RAJADA escura já eram OFICIAIS e aceitas desde antes de 1946. Acessem o site: http://www.spfilabrasileiro.com.br e leiam o Padrão Racial OFICIAL do FB devidamente comentado por criadores e juízes experientes. Acessem o site: http://br.groups.yahoo.com/group/filabrasileiro-brasil/ e leiam no fórum as notícias e discussões entre os criadores de FB, podendo, inclusive, participar após o devido credenciamento pelos Gerentes responsáveis pelo Grupo.

            “Continuo SENTADO aguardando prova REAL (não fictícia) da não existência ou não oficialidade das cores PRETA e/ou TIGRADA/RAJADA escura na Raça Fila Brasileiro”.

            “Ficarei SENTADO aguardando que um dos adoradores do Dr. Paulo Santos Cruz compareça junto ao MPF e identifique-se e assine uma acusação FORMAL de fraude, ou de miscigenação na Raça FB, principalmente envolvendo as cores PRETA e/ou Tigrada/Rajada escura”.

                                                          
São Paulo, 24 de Fevereiro de 2010.
Virgílio De Martella Orsi.
Juiz de Fila Brasileiro e grupos I, II, IV, V, VIII e X da CBKC/FCI.
Canil Vale do Aricanduva – SP – Brasil 

Voltar a artigos Fila Brasileiro